Mundo

Papa Francisco descarta ordenação de homens casados como padres na Amazônia

Possibilidade havia sido aprovada no sínodo do Vaticano sobre a Amazônia, em outubro passado, mas não agradou a alguns integrantes da Igreja

[Papa Francisco descarta ordenação de homens casados como padres na Amazônia]
Foto : Vatican Media

Por Juliana Almirante no dia 12 de Fevereiro de 2020 ⋅ 11:20

O Papa Francisco rejeitou hoje (12) a possibilidade de ordenação de homens casados como padres na região amazônica. A possibilidade de homens casados serem padres havia sido aprovada, por 128 votos a 41, no sínodo do Vaticano sobre a Amazônia, em outubro passado.

No entanto, a hipótese não agradou a alguns integrantes da Igreja, que avaliaram que isso poderia levar a uma mudança na tradição secular de celibato entre os padres, conforme a agência Reuters.

A proposta não é mencionada no texto, de 32 páginas, que foi publicado hoje sobre o encontro, sob o nome de "Exortação Apostólica Pós-Sínodo". Uma exortação serve para instruir e encorajar os fiéis católicos, mas não delimita a doutrina da Igreja.

No texto, em lugar de citar a possibilidade de ordenação para homens casados, o pontífice diz que novas maneiras devem ser encontradas para incentivar mais padres a trabalhar na região remota e permitir papéis maiores para leigos e diáconos permanentes, assim como para mulheres.

Homens casados podem ser diáconos, que, como padres, são ministros ordenados. Eles podem fazer atividades como ensino, batismo e administração de paróquias, mas não rezar a missa. Com isso, em ao menos 85% das aldeias amazônicas, os fiéis não podem participar da liturgia todas as semanas, segundo a Reuters.

Notícias relacionadas

[Papa suspende parte da agenda por causa de um leve resfriado]
Mundo

Papa suspende parte da agenda por causa de um leve resfriado

Por Luciana Freire no dia 28 de Fevereiro de 2020 ⋅ 15:20 em Mundo

"O Santo Padre celebrou a missa nesta manhã e, no final cumprimentou os participantes, mas decidiu adiar as audiências oficiais de hoje", disse o porta-voz do Vaticano