Política

Bolsonaro diz que vídeo da reunião ministerial não apresenta provas contra ele

O presidente também afirmou que seus ministros não têm responsabilidade pelo que foi falado no momento, pois, "foi uma reunião reservada"

[Bolsonaro diz que vídeo da reunião ministerial não apresenta provas contra ele]
Foto : Marcos Corrêa/PR

Por Danielle Campos no dia 23 de Maio de 2020 ⋅ 07:30

O presidente Jair Bolsonaro se pronunciou, na noite de ontem (22), e disse que o vídeo da reunião ministerial, divulgado na tarde desta sexta-feira, não traz provas de interferência sua na Polícia Federal. 

"Repito, cadê a parte desse vídeo de duas horas onde minimamente tem indícios de que eu teria interferido na Polícia Federal, na superintendência do Rio de Janeiro ou na diretoria-geral da PF? Não tem nada", disse Jair Bolsonaro, em frente ao Palácio da Alvorada.

A divulgação do vídeo foi autorizada pelo ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), relator do processo que investiga uma suposta interferência do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal (PF), denunciada pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro, durante depoimento prestado à PF.

Após repercussão negativa de trechos do vídeo, Bolsonaro também afirmou que os ministros do seu governo, presentes na reunião, não têm responsabilidade pelo que foi falado no momento. "Foi uma reunião reservada de ministros, não foi uma reunião aberta. A responsabilidade é do ministro Celso de Mello", disse.

Notícias relacionadas

[Abaixo-assinado ‘antiAras’ deve chegar ao Legislativo]
Política

Abaixo-assinado ‘antiAras’ deve chegar ao Legislativo

Por Alexandre Galvão no dia 03 de Junho de 2020 ⋅ 07:20 em Política

Chefe do Ministério Público no Brasil, Aras não integrou a lista tríplice de nomes sugeridos pela Associação Nacional dos Procuradores da República

[Alexandre de Moraes toma posse como ministro do TSE]
Política

Alexandre de Moraes toma posse como ministro do TSE

Por Luciana Freire no dia 02 de Junho de 2020 ⋅ 18:48 em Política

Autoridades participaram da cerimônia de posse por videoconferência, entre elas, o presidente Jair Bolsonaro; mandato no cargo é de dois anos