Política

Após contrapartidas, líderes do Centrão admitem adiar eleição

Entre as contrapartidas, está a prorrogação do auxílio financeiro a prefeitos durante a pandemia do coronavírus

[Após contrapartidas, líderes do Centrão admitem adiar eleição]
Foto : Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Por Metro1 no dia 29 de Junho de 2020 ⋅ 21:00

Um dos principais líderes do Centrão, o presidente do Republicanos, deputado Marcos Pereira (SP), resistente em adiar as eleições, afirma ter mudado de posição após conversar com médicos e com o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso. As informações são do Estadão.

O deputado alega que se convenceu que levar a votação nos mais de 5 mil municípios do País de outubro para novembro é o melhor a se fazer neste momento. 

A mudança de postura de Pereira ocorre logo após os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), discutirem contrapartidas para que o adiamento seja aprovado. Entre elas, a prorrogação do auxílio financeiro a prefeitos durante a pandemia do coronavírus – mais R$ 5 bilhões – e a retomada da propaganda partidária no rádio e na TV, extinta em 2017. Hoje, só é permitida a propaganda eleitoral.

Presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa dos Municípios Brasileiros, o deputado Silvio Costa Filho, também se pronunciou favorável ao adiamento das eleições. "Depois de muito diálogo e consultas, o sentimento em Brasília mudou. As eleições serão realizadas em novembro. Hoje, esse é o sentimento da maioria dos parlamentares. Ao lado do @TSEjusbr, estamos construindo a melhor forma para que a eleição siga todas as orientações sanitárias", escreveu em seu perfil no Twitter.

Notícias relacionadas

[Luciano Huck vende sua participação no Madero, diz jornal]
Política

Luciano Huck vende sua participação no Madero, diz jornal

Por João Brandão no dia 05 de Julho de 2020 ⋅ 16:01 em Política

Sócio majoritário Junior Durski, que já se declarou “100% Bolsonaro”, provocou polêmica no começo da pandemia ao dizer que o Brasil não deveria parar por “cinco ou sete m...