Política

Ministério Público apura relação de Wassef com miliciano morto na Bahia

Descobertas de caso Queiroz levantam suspeita sobre ex-advogado de Flávio Bolsonaro

[Ministério Público apura relação de Wassef com miliciano morto na Bahia]
Foto : Reprodução/TV Globo

Por Matheus Simoni no dia 30 de Junho de 2020 ⋅ 09:47


O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) está debruçado sobre a relação de Frederick Wassef, ex-advogado do senador Flávio Bolsonaro, e o ex-policial militar Adriano da Nóbrega, morto na Bahia em fevereiro em ação policial. A investigação apura se o jurista ligado à família Bolsonaro teria atuado no sumiço de Adriano, que é acusado de integrar uma milícia e estava desaparecido há um ano. Wassef ganhou notoriedade na defesa de Flávio no caso do ex-assessor Fabrício Queiroz. Adriano tinha como advogado Paulo Emilio Catta Preta, que agora defende Queiroz.

De acordo com a coluna Painel do jornal Folha de S. Paulo, a diferença com o caso Queiroz é que contra Adriano havia um pedido de prisão em aberto e, portanto, um ato para escondê-lo poderia vir a configurar crime de favorecimento pessoal. Os inquéritos de Adriano e de Queiroz são separados e estão com setores diferentes no MP-RJ.

No pedido de prisão de Queiroz, os procuradores do Ministério Público chegaram a afirmar que Adriano iria organizar um plano de fuga para toda a família do ex-assessor de Flávio. Não há no documento, contudo, indicação da origem desta informação. Wassef tem negado irregularidades em declarações à imprensa. Em entrevista à revista Veja, ele admitiu que abrigou Queiroz sob a justificativa de que havia um plano para matá-lo.

Notícias relacionadas

[Luciano Huck vende sua participação no Madero, diz jornal]
Política

Luciano Huck vende sua participação no Madero, diz jornal

Por João Brandão no dia 05 de Julho de 2020 ⋅ 16:01 em Política

Sócio majoritário Junior Durski, que já se declarou “100% Bolsonaro”, provocou polêmica no começo da pandemia ao dizer que o Brasil não deveria parar por “cinco ou sete m...